Home | Anuncie | Publique seu artigo | Normas para publicação | Boletim periódico | Classificados | Cadastre-se | F@le conosco

::.  Para onde estamos indo? Novos e Velhos caminhos da Educação...
Thereza Bordoni
Mestre em educação. Consultora do Projeto Linha Direta. Diretora da A&B Consultoria e Desenvolvimento e do site www.vaganaescola.com.br . Palestrante.
Contato: tbordoni@vaganaescola.com.br. (31) 91849405.



Na última década muito foi discutido sobre todas as vertentes de um processo educacional. Nomes, teorias e autores, viraram moda, metodologia, um "bum" educacional e passaram a fazer parte do discurso dos educadores, apesar de a maioria apenas repetir aquilo que ouve, sem saber realmente do que está falando ou qual a relação com a sua vivência pedagógica. Com o avanço da comunicação, o discurso pedagógico ficou repleto de "termos" e conhecimento das novas propostas, porém, percebo que falta o entendimento significativo de todos estes novos caminhos da educação.
Um discurso se consolidou: "Formar o cidadão critico e participativo". De norte a sul, este passou a ser o lema dos educadores. Mas, afinal o que significa isto? Como e baseado em que, o trabalho acontece?.
Julgo que nos próximos anos será o momento de colocar em prática todos os estudos feitos até então. É hora de unificar, o trabalho em sala de aula e a teoria estudada. Para isto é preciso que o educador aprofunde seu conhecimento, entenda e analise as posturas educacionais que no decorrer dos anos passaram a fazer parte do seu discurso. É preciso que o educador seja capaz de relacionar a sua prática diária à intencionalidade e para isto, o estudo teórico pode ser um grande aliado.
Eis algumas idéias chaves que se apresentam mais freqüentemente hoje na literatura pedagógica e que nos auxiliam a entender as perspectivas atuais da educação. Elas nos suscitam muitas interrogações e podem nos abrir novos caminhos. Para melhor compreensão, o quadro a seguir se propõe a relacionar idéias, que fazem parte de nosso dia-a-dia nas escolas, ao estudo realizado. Me limito a citar apenas alguns dos grandes nomes e estudos que têm contribuído para tantos avanços no processo educacional e peço desculpas pela tentativa de traduzir o estudo e pesquisa, às vezes de uma vida inteira, em apenas uma palavra ou idéia chave. Cito os quais ainda, em minhas andanças por este Brasil, percebo dúvidas e superficialidade no conhecimento de suas obras. Seria praticamente impossível citar todos estudiosos e teóricos da educação. Minha intenção é que este texto seja um sinalizador de busca, para o aprofundamento da teoria e prática; um roteiro para ajudar a traçar o mapa dos caminhos educacionais.
Dos nomes citados uns construíram teorias propriamente ditas, outros aplicaram estudos e observações diretamente no campo pedagógico, mas, sem dúvida, todos foram estudiosos que deixaram marcas na educação.


PALAVRA/IDEIA CHAVE
TEORICO/AUTOR/PESQUISADOR
Cognitivismo - construtivismo Jean Piaget
Curiosidade e "palavra geradora" Paulo Freire
Níveis alfabetização Emília Ferreiro
Competências e habilidades Philippe Perrenoud
Tolerância Karl Jaspers
Autogestão Celestin Freinet, Michel Lobrot
Desordem e teoria da complexidade Edgar Morin
Paixão Marilena Chauí
Ação comunicativa Jürgen Habermas
Empatia Carl Rogers
Cuidado Leonardo Boff
Currículo e contextualização Cezar Coll
Projetos e currículo Fernando Hernández
Relação teoria e pratica John Dewey
Metodologia e formação António Nóvoa
Códigos da Modernidade Bernardo Toro
Imaginário Gilbert Durand e Cornelius Castoriadis
Zona do desenvolvimento proximal Vygostsky
Múltiplas Inteligências Gardner
Inteligência Emocional D. Goleman
Interdisciplinaridade Ivani Fazenda
Ecopedagogia - Escola cidadã Moacyr Gadoti
Letramento Magda Soares
Pratica educativa Antonio Zabala

Estes estudiosos e pesquisadores de várias áreas do saber como a Psicologia, Biologia, Medicina, Filosofia, Antropologia, Educação e outras, contribuíram em muito para que a educação avançasse.
Poderia citar ainda: Rousseau, Pestallozzi, Froebel, Ferrer, Dècroly, Makarenko, Ferrière, Cousinet, Neill, Robin, Steiner, Montessori, Libâneo, Teberosky, Demo, Gandin, Sacristan, Wallon, Lapierre, Le Boulch, Santome, Levy, que entre outros que de alguma forma, têm lugar no campo pedagógico. Lembrando que ao examinarmos o pensamento e a obra dos educadores ou pessoas não estritamente ligadas à educação, mas cujas idéias refletiram e exerceram influência na educação, é de suma importância que levemos em conta o tempo e o espaço em que viveram, as influências que receberam e as que exercem até nossos dias.

Podemos observar na analise das obras e nos estudos realizados que os temas representam uma espécie de "sinal dos tempos", isto é, apontam uma certa direção, um caminho a seguir para uma pedagogia da unidade, no conturbado cenário atual de várias tendências educacionais.

Julgo porém, que valeria a pena pincelar aqui o debate de algumas tendências. Entre elas, usando a fala de alguns autores, podemos destacar:

Educação Crítica. Dialógica e Problematizadora. Formadora de cidadania, dando consciência da responsabilidade social e política do educando, onde o professor, ao mesmo tempo que ensina, aprende com a riqueza cultural que o aluno traz na sua bagagem de conhecimento prévio, assim os temas escolhidos para estudo fazem interseção com a realidade social vivida pelo aluno, através de uma metodologia voltada para a relação reflexão e ação, ou seja, para a práxis (prática-teoria-prática):" o aluno vem para a escola com sua experiência de vida (a prática), recebe na escola o saber elaborado ou erudito (a teoria) e ao voltar para sua realidade tem uma nova prática, agora enriquecida pela teoria "e a avaliação deixa de analisar somente o aluno e procura avaliar também o currículo, a escola e até o sistema educacional. Como encarar o desafio de uma educação sem discriminação étnica, cultural, de gênero e solidária? É possível dar sentido" as disciplinas e conteúdos isolados, ainda trabalhados?

Transdisciplinaridade. Indica uma nova tendência na educação, que será preciso analisar. Transpor o currículo e as áreas do saber acadêmico, fazendo a interação interdisciplinar com a realidade. Como construir interdisciplinarmente o projeto político-pedagógico da escola? Como transformar o currículo fragmentado em um currículo contextualizado e transinterdisciplinar?

Multiculturalismo. Aproveitamento e valorização da cultura local ou regional no ensino escolar, o chamado patrimônio cultural da Humanidade. É a pluralidade de culturas presente no currículo. Como relacionar multiculturalidade, educação para todos e currículo?

Transversalidade. Temas como ética, meio ambiente, saúde, orientação sexual, trabalho e consumo são incorporados nas áreas ou disciplinas curriculares. Seria este um ponto para favorecer uma aprendizagem significativa e significante?

Interdisciplinaridade. Todas as disciplinas ou áreas de estudos e práticas educativas trabalhando dentro de uma única área. Como romper com a cultura do professor especialista?

Planetaridade(1)*. ""O planeta é a minha casa e a Terra, o meu endereço. Como posso viver bem numa casa mal arrumada, mal cheirosa, poluída e doente? A Terra é um "novo paradigma"' (Leonardo Boff). Que implicação tem essa visão de mundo sobre a educação? O que seria a ecopedagogia (Francisco Gutiérrez) e uma ecoformação (Gaston Pineau)? O tema da cidadania planetária pode ser discutido a partir desta categoria. Podemos nos perguntar como Milton Nascimento: "para que passaporte se fazemos parte de uma única nação?". Que conseqüências podemos tirar para alunos, professores e currículos?

"... grande parte da juventude sente uma intensa necessidade de lutar por um futuro melhor para o homem; é sobre este sentimento que deveria basear-se o programa educativo", ..., "somente quando se aliar a atividade pedagógica a uma atividade social que vise evitar que a existência social do homem esteja em contradição com sua essência se alcançará uma formação da juventude em que a vida e o ideal se unirão de modo criador e dinâmico" (Suchodolski, 1991, p. 128-134).

Ecopedagogia*. A pedagogia tradicional centrava-se na espiritualidade, a pedagogia da escola nova na democracia e a tecnicista na neutralidade científica. A ecopedagogia centra-se na relação entre os sujeitos que aprendem juntos "em comunhão" (Paulo Freire). É sobre tudo uma pedagogia ética, uma "ética universal do ser humano" (Freire, 1997: 19). "A ecopedagogia pretende desenvolver um novo olhar sobre a educação, um olhar global, uma nova maneira de ser e de estar no mundo, um jeito de pensar a partir da vida cotidiana, que busca sentido a cada momento, em cada ato, que" pensa a prática "(Paulo Freire), em cada instante de nossas vidas, evitando a burocratização do olhar e do comportamento" (Moacir Gadotti).

Sustentabilidade*. O desenvolvimento sustentável, mais do que um conceito científico, é uma idéia-força, uma idéia mobilizadora, nesse milênio, sintetizada no lema "uma educação sustentável para a sobrevivência do planeta", difundido pelo Movimento da Carta da Terra na Perspectiva da Educação e pela Ecopedagogia. O que seria uma cultura da sustentabilidade?O que estamos estudando nas escolas? Não estaremos construindo uma ciência e uma cultura que servem para a degradação e deterioração do planeta?

Virtualidade*. Essa categoria implica toda a discussão atual sobre a educação à distância e o uso dos computadores nas escolas (Internet). Quais as conseqüências para a educação, para a escola, para a formação do professor e para a aprendizagem? Como fica a escola diante da pluralidade dos meios de comunicação?

Globalização*. É uma categoria que deve ser enfocada sob vários prismas. Para pensar a educação do futuro, precisamos refletir sobre o processo de globalização da economia, da cultura e das comunicações.

Isto tudo nos direciona para uma "Alquimia do conhecimento": que segundo Morais (1998) "é o currículo pensado a partir de diferentes competências, ou seja, do cognitivo para o relacional, incluindo a parte emocional e o afetivo". O cotidiano e o ensino fundem-se num todo.

Em todos estes nomes, idéias, tendências e nestes caminhos educacionais podemos perceber o direcionamento que parece anunciar a configuração de uma nova visão de escola, de currículo, de educador e de educação. Onde se considera a pessoa concreta, inserida na sua realidade e capaz de traçar junto com a escola, o seu caminho.
Cabe a nos educadores aprofundarmos nossos conhecimentos para fazer dos vários caminhos uma única rota rumo à formação do verdadeiro cidadão critico, participativo e solidário.

Vamos continuar estudando, buscando, pesquisando e principalmente pensando a nossa prática pois... "a prática de pensar a prática é a melhor maneira de pensar certo ( Paulo Freire)"

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo: Martins Fontes; Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1987.
BOFF, Leonardo. Nova era: a civilização planetária .São Paulo: Ática. 1994.
______________. Ecologia: grito da Terra, grito dos pobres .São Paulo:Ática. 1995
______________. Saber cuidar: ética do humano, compaixão pela terra .Petrópolis: Vozes. 1999
CARNOY, Martin. Estado e teoria política. Campinas, Papirus, 1994.
CORTELLA, Mário Sérgio. Escola e conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. São Paulo: Cortez, 1998.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa .São Paulo: Paz e Terra. 1997
FREIRE P; HORTON, Myles. Nós fazemos o caminho caminhando. Petrópolis, Vozes, 2000
FRIEDMAN, Milton; FRIEDMAN, Rose. Liberdade de escolher: o novo liberalismo econômico. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, [1984?].
*GADOTTI, Moacir.. Pedagogia da Terra: Ecopedagogia e educação sustentável. Texto.
________________. Pedagogia Da Terra. 2ª ed. Fund. Peirópolis, 2000. 217p
________________. Pedagogia da práxis .São Paulo: Cortez. 1995
________________. (org.). Educação de Jovens e Adultos: a experiência do MOVA-SP .São Paulo: INSTITUTO PAULO FREIRE. 1996
________________. Perspectivas atuais da educação .Porto Alegre: Artes Médicas.1999
GOMES, Cândido. A educação em perspectiva sociológica. São Paulo: EDUC, 1991.
GUTIÉRREZ, Francisco e Daniel Prieto. A mediação pedagógica: educação a distância alternativa .Campinas: Papirus. 1994
GUTIÉRREZ, Francisco e Cruz Prado . Ecopedagogia e cidadania planetária .São Paulo: Cortez. 1999
MORAIS, Maria Cândida. O novo paradigma da educação. Campinas: Papirus, 1998.
MORROW, Raymond Allen; TORRES, Carlos Alberto. Teoria social e educação. Porto, Afrontamento, 1997.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento, 1999.
SUCHODOLSKI, Bogdan. A pedagogia e as grandes correntes filosóficas. Lisboa: Livros Horizonte, 1991.
UNESCO Educação para um futuro sustentável: uma visão transdisciplinar para ações compartilhadas (Brasília: IBAMA) Conferência Internacional sobre "Meio Ambiente e Sociedade: Educação e conscientização pública para a sustentabilidade". 1999

(1) Partes do texto de Moacir Gadotti: A Pedagogia da Terra: Ecopedagogia e educação sustentável.
Profissionais da Educação,
Envie suas sugestões, textos, trabalhos, reportagens, opiniões, etc. Eles serão publicados, neste Site, assinados por especialistas como você.
F@le conosco

Home | Anuncie | Publique seu artigo | Normas para publicação | Boletim periódico | Classificados | Cadastre-se | F@le conosco